quinta-feira, 3 de outubro de 2013

B - I - C - I - C - L - E - T - A ... Sou sua amiga BICICLETA!

Mamãe sempre conta uma história das minhas primeiras pedaladas...
Estávamos em Peruíbe....a descida da garagem era convidativa e, todos os alunos dos pedais (tios, sobrinhos e filhos) partiam de lá pra pegar impulso...à frente uma rua de paralelepípedos e muita areia.
Dizem que pra descer todo santo ajuda mas já no plano, e de bicicleta, creio que isto não funcione.
 

GRITOS!
Dito e feito. 
Tomei O capote.

Mamãe diz que não sabia por onde me pegar pois eu tinha areia e sangue do nariz ao dedão do pé. Ela me colocou no tanque pra tirar a sugeira e ver por onde começaria a pincelar a famosa dupla: merthiolate e mercúrio. Ela achava que eu nunca mais subiria em uma bicicleta. Mas dias depois, ela só teve mais certeza de quão teimosa e determinada eu era. Cheia de curativos lá estava eu na minha bicicleta.


A cada férias na praia contávamos quantos tampões eu arrancava dos meus dedões dos pés, afinal, pra que breque se temos os pés??
A bicicleta era nosso meio de transporte de uma rua à outra e, atravessar SOZINHA a avenida para o lado da praia, era um ENORME objetivo a ser conquistado. Coisas de criança....

Depois, na adolescência, eu tive uma bike cinza e rosa e algumas vezes cheguei à ir pra escola com ela. Tadinha, a magrela ficou abandonada, assim como tantas coisas, durante aquele período.


Em algum domingo de julho fui conhecer a tão famosa Ciclofaixa. Fizemos um bate e volta na Av Paulista e....apaixonei! Tanto, que não parei mais. Se eu não posso andar no domingo, pego minha bike no sábado, vou até o Ibirapuera pedalando e, entre mãos no guidão e mãos ao alto (peripécia herdada dos tempos de menina que dão uma sensação de liberdade/molecagem sem tamanho) lá vou eu. Se não tenho companhia, se chove, se faz frio? Lá estaremos eu, meus protetores e meus fones.


Do que mais gosto? Da sensação de liberdade, do vento no rosto, de ver SP de outra perspectiva. De conhecer lugares novos a cada final de semana. De ver gente feliz, porque até agora não vi ninguém andando emburrado, a não ser algumas crianças chorando depois do tombo e apavoradas em conseguir equilíbrio novamente. De resto, é só alegria.

Meu lugar preferido é o Centro de SP. Eu já gostava de lá, de bike, então....AMO! O minhocão é o lugar mais fantástico pra ir no domingo. Ele fica fechado pra carro, então, se eu aguentar e nenhum buraco na pista me desestabilizar, é possível fazer o trajeto inteiro com as mãos aos céus.


Contabilizei os kilometros andados e até agora foram poucos mais de 200....poxa, pra quem só andava nas férias, to me achando Lance Armstrong (SEM substâncias proibidas) de SP.

Não tenho metas pra esse passatempo/atividade física, mas fazer uma viagem pedalando não seria nada mal.


Se você é daqueles que fica no trânsito de domingo sentindo raiva daquela ciclofaixa "inútil",
um beijo bem feliz (e de pernas ((quase)) fortes) pra você!!!