quinta-feira, 20 de junho de 2013

Eu não aceito! #protestomaterno


Eu não aceito que meu filho viva em um país rico, porém pobre;

Eu não aceito que meu filho viva em um país que tenha recursos mil e ainda assim viva na porcaria;

Eu não aceito que meu filho pague impostos demais e tenha direitos de menos;

Eu não aceito que meu filho não possa escolher estudar em uma escola pública por falta de qualidade;

Eu não aceito que meu filho tenha professores com salários ridículos e sem segurança para poder trabalhar;


Eu não aceito que meu filho viva em um país que não tem o menor interesse em ter educação de qualidade (sim, porque eles NÃO NOS QUEREM EDUCADOS);

Eu não aceito que meu filho não possa depender da saúde pública;

Eu não aceito que ele veja na TV pessoas morrendo nas filas de hospitais sem atendimento;

Eu não aceito que meu filho veja pessoas corruptas embolsarem o suado dinheiro que ele investe no país;


Eu não aceito que meu filho seja obrigado a esperar 30, 40 minutos até conseguir entrar em um vagão de metrô;

Eu não aceito que meu filho não se sinta seguro a andar pelas ruas da cidade;

Eu não aceito que meu filho não possa ser protegido por uma polícia digna e bem remunerada;


Eu não aceito que meu filho seja descontado de absurda quantia de seu salário sem ter retorno algum;

Eu não aceito que meu filho tenha respaldo de um sindicato bandido de trabalhadores;



Eu não aceito que meu filho receba ligações ameaçadoras e se sinta acuado a  pagar propina a Fiscais da Receita e afins;

Eu não aceito que meu filho não tenha em quem votar pelo fato de que ninguém que se candidate seja honesto;

Eu não aceito que meu filho veja um bandido ter roubado, ser condenado e ainda assim continuar no poder;

Eu não aceito que meu filho veja mulheres fruta, sem conteúdo algum, se candidatando a vagas políticas;


Eu não aceito que meu filho veja horário político como show de comédia;

Eu não aceito que meu filho veja pessoas sem o mínimo de estudo ou com a ficha suja se candidatando para defender o país;

Eu não aceito que meu filho veja um país cabide de empregos criados sob medida para família e amigos de político;

Eu não aceito que meu filho veja projetos na fila para serem aprovados que defendam "O dia do presidiário" e outras aberrações;

Eu não aceito que meu filho veja bandidos serem soltos porque a justiça é praticamente inexistente;

Eu não aceito que meu filho veja o "Impostômetro" bater recordes e recordes e tenha que aceitar com passividade o fato de não ver a cor desse dinheiro, investido no país;


Eu não aceito que meu filho veja pessoas passando fome nas ruas enquanto políticos gastam milhões em viagens;

Eu não aceito que meu filho veja pessoas sem ter casa pra morar enquanto os políticos ganham vale gravata e carro novo sem necessidade;

Eu não aceito que meu filho seja descontado por um tal de FGTS e corra o risco de não ter a sua tão merecida aposentadoria garantida;

Eu não aceito que o MEU filho passe por tudo isso! Nem o SEU e nem o de ninguém!

Só queremos o que é nosso (e deles) por direito, nada mais!


E é por essas e por outras razões que estou aqui nesta blogagem coletiva, #protestomaterno. 

Porque nós, mães responsáveis, preocupadas (e blogueiras), não aceitamos.

Não pretendemos e não podemos nos calar.

Não é justo que uma nação inteira sofra enquanto alguns esbanjam montes e montes de dinheiro (nosso!!) por aí. Muito diferente daquela pessoa que enriquece pelo suor do trabalho, bem diferente!

Éramos pra ser um país (quase) perfeito. Temos riquezas naturais, clima propício pra plantarmos exatamente tudo, temos mão de obra abundante e muita gente disposta a colocar a mão na massa.

Mas nos falta(va) o principal: SERIEDADE.

Precisamos mudar, precisamos aceitar a mudança por nós e, principalmente, pelos nossos filhos.

Por isso que, quando meu filho de 16 anos pediu para ir com um grupo de amigos  da escola às manifestações dos dias 17 e 18, cedi (claro, desde que me enviasse mensagem de tempos em tepos pra dizer se tudo estava ok). Ele voltou feliz, empolgado, rouco, sentindo-se parte de um país que necessita, que pede por URGENTE por mudanças. Eu gostaria de ter podido estar lá também!

O que temos visto nas últimas semanas não me lembro de ter visto jamais. A cada post, vídeo, texto, sinto um arrepio de esperança, algo bom e único. Creio que nem nós e nem o nosso país será o mesmo depois de vermos com os nossos olhos o que um povo é capaz de fazer, de mover. Que quando realmente queremos, somos capazes de mudar. Temos voz.

Com toda essa movimentação aparece, inclusive, mais uma de nossas responsabilidades como pais, a de ensinar os nossos filhos a estudar e entender (pelo menos o mínimo) de política, ensiná-lo a escolher um candidato empenhado e de passado limpo, a cobrá-lo após eleito, e, principalmente, jamais se acomodar com as situações impostas e que ele não concorde. Bundão no sofá nunca mais!

Eu quero transparência. Eu quero comprometimento. Eu quero o que é meu por direito.

Por mim, pelo meu filho e por esta nação alegre, feliz e merecedora de um Brasil com Be maiúsculo, 


EU NÃO ACEITO!




#VerásQueUmFilhoTeuNãoFogeàLuta

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Uma Bomba Relógio chamada Brasil.

Não, eu não ando de transporte coletivo.

Meu filho, sim, e grande (se não a maior) parte da população também.

Graças a Deus eu também não dependo de saúde e educação pública.

Quer dizer que porque EU (e o MEU umbigo, meu, eu, eu, meu) não preciso destas coisas eu tenho que concordar com os absurdos/abusos deste país?

Será que ninguém vê que o buraco é BEM mais em baixo?

Será que ninguém vê que estamos com uma bomba relógio nas mãos?

O povo está cansado de ser chamado de palhaço.


Realmente o brasileiro é um povo pacato mas paciência (sempre) tem limite.

Nesta "guerra" especificamente andam juntos (porém não com a mesma linha de raciocínio, óbvio) manifestantes reais e baderneiros que nem sabem o porque estão lá. Os manifestantes porque entendem a causa a ser lutada e defendida, enquanto os baderneiros são resultado da péssima qualidade na educação de nosso país (e educação dentro de casa também, claro!).

O sistema está sofrendo com o que ele mesmo criou.


Estamos acostumados a ver nos noticiários absurdos como a impunidade, a falta de investimento na saúde pública, na educação, por outro lado o impostômetro mostra valores crescentes que batem recordes dia após dia, políticos corruptos enchendo os bolsos com um dinheiro que seria suficiente pra resolver, se não todos, grande parte dos problemas acima citados. E tudo e todos acabam impunes.

Vocês querem que a gente fique com nariz de palhaço, sentado no sofá vendo a rede globo, até quando?

Se você é do tipo que reclama do trânsito causado pelos protestos, ou generaliza dizendo que todos são vagabundos, ou que porque eu tenho carro não posso me revoltar também, vista o seu nariz vermelho, eu não.

Ainda estou pensando em uma maneira de demonstrar toda a minha revolta. Sim, porque eu também não aguento mais. Por outro lado, como assalariada que sou, não posso me deslocar para os locais de manifestação, mesmo acreditando que lá tem muita gente bem intencionada e preocupada com o futuro desta nação.

Eu, Flávia, 37 anos, mãe, casada, secretária executiva, me preocupo com o futuro que este país tem a oferecer para meu filho, mas me preocupo muito mais com a possibilidade de que meu filho possa vir a ser mais um bundão resmunguento, de nariz vermelho, sentado no sofá!


segunda-feira, 10 de junho de 2013

Seu filho tem pavio curto??


Semana passada...
Um email meu, preocupado, para o filho. Afinal é tanto amor que chega até a doer só de imaginar uma situação como essa.
______________________________________________________________________________
Filho,

no meu tempo de adolescente não tinha desses absurdos. Era mais fácil passear, se divertir.

Hoje em dia, infelizmente, qualquer discussão banal acaba em trajédia e famílias destruídas por conta de alguém morto, ou preso.

Por isso, filho que tanto amo, as vezes vale mais a pena ficar calado à querer ter razão e provocar uma briga que, caso seja com pessoas do mal, acaba nisso.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/06/delegado-suspeita-que-briga-em-balada-motivou-morte-em-lanchonete.html

Que Deus nos abençoe e proteja.

E que você seja porta voz desse grande perigo aos seus amigos e conhecidos. Sim, eles precisam saber, todos precisam se cuidar.

Te amo.

Mamãe

_______________________________________________________________________________

Não vejo Gabriel esquentado. Claro, tem coisas da idade, brigas na escola, mas não acredito que ele ficaria nervoso ao ponto de brigar com alguém na balada.

E o seu filho, ele tem comportamento impulsivo?
Como você acha que deve tratar disso levando em consideração o mundo violento onde nos encontramos?

Eu particularmente optaria pela terapia e muita, mas muita conversa, afinal, esta é a nossa dura realidade.


Que Deus proteja sempre nossos pequenos!!

quarta-feira, 5 de junho de 2013

(Nem tão) Pequenas coisas que mães de meninos devem ensinar a seus filhos.

Você quer ser lembrada com carinho pela sua futura nora??

Então ensine seu filho a tratar bem as mulheres!

Vou listar algumas coisinhas de que me lembro já ter conversado com meu filho e acredito serem muito importantes:

- A comida que ela fez está boa, ela está bonita??? ELOGIE!;


- Ensine-o a cozinhar (pelo menos o básico), a limpar, a organizar, a dividir tarefas;

- Ensine-o a deixá-la passar primeiro pela porta, a segurar a porta para que ela entre/saia, a andar sempre do lado da rua, ensine-o a protegê-la;

- Ensine-o sobre a importância do carinho, do reconhecimento;

- Ensine-o a refletir sobre sentimentos (de si próprio e do próximo) e atitudes, seu filho não será mais ou menos homem por isso;

- E principalmente que, EM HIPÓTESE ALGUMA, ele tem o direito de levantar a mão para uma mulher, muito menos tocá-la com brutalidade, se é que me entendem.



Não ache que, por serem coisas básicas, ele vai aprender com a vida. É mais uma das suas obrigações como mãe (e mulher) ensinar e repetir quantas vezes achar necessário.


As mulheres e o mundo agradecem!!