sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Porque a mulher anda tão irritada?

por Patricia Gebrim

Com o capitalismo e o consumismo a mulher perdeu sua conexão com o feminino
"Aparentemente poderosa, aparentemente independente... na verdade a mulher está despotencializada, uma vez que foi afastada de sua verdadeira natureza"
Para falar sobre esse assunto começo sugerindo que você me acompanhe e dê comigo uma volta ao redor do mundo. Com certeza, ao retornarmos dessa viagem, poderíamos concordar com a seguinte afirmação:

O Ocidente, muito mais do que o Oriente, criou uma sociedade onde existe mais riqueza material. Temos mais dinheiro, mais bens, mais comodidades.

- Mas será que temos mais felicidade? - Ah, isso eu não sei.

Todas essas conquistas tiveram um custo, você já pensou nisso?

A sociedade ocidental, na busca de constantemente alimentar as máquinas que a mantém em funcionamento, parece ter criado uma série de necessidades irreais, o que nos mobilizou a irmos em busca de mais, mais, sempre mais. Para que esse objetivo fosse atingido, as necessidades supridas, foi necessária uma força de trabalho cada vez maior.

Como fruto desse movimento, as mulheres tiveram que sair de casa para o mercado de trabalho, afinal havia muito a ser construído e conquistado! Sendo o mercado de trabalho regido por valores muito mais masculinos do que femininos (competição, agressividade, a batalha diária pelo “pão de cada dia”), para conquistar seu espaço nesse mundo, as mulheres acabaram por trair o feminino em si mesmas. Resultado: foram aos poucos se tornando “masculinas”. Algumas tornaram-se ainda mais agressivas e competitivas do que os homens!

Devagar, sem que nos déssemos conta, algo muito precioso foi se perdendo nesse processo : a docilidade, a sensibilidade, a compaixão femininas.

(É verdade também que conquistaram direitos que lhes eram devidos como seres humanos, a parte positiva dessa história toda! )

Isso foi acontecendo aos poucos, e o que percebo é que hoje a mulher desperta em meio a uma espécie de sonho, olha ao redor e se vê em um mundo estranho, que perece lhe ter roubado a própria alma. Olha seu rosto no espelho e tem medo do que vê. Aparentemente poderosa, aparentemente independente... na verdade a mulher está despotencializada, uma vez que foi afastada da sua verdadeira natureza.

A verdade é que hoje as mulheres sentem uma falta enorme da dimensão feminina em suas vidas. Sentem falta de ter mais momentos de contemplação, sentem falta de ter mais tempo para cuidar das interações humanas, dos relacionamentos... sentem falta de estar mais com seus filhos, de estar mais com os amigos. Sentem falta de criar beleza.

Como se estivessem condenadas a viver longe de seu habitat, as mulheres encontram-se infelizes. Cansaço e irritação são constantes, muitas vezes incompreensíveis aos homens. Afinal eles vivem no mesmo mundo que elas (o mundo masculino) e não se sentem dessa forma. Lembrem-se, para os homens as batalhas são mais naturais. Eles conseguem separar trabalho e vida pessoal com um pouco mais de facilidade (embora ambos os sexos sofram com essa ênfase no masculino).

É claro que um homem com um forte componente feminino possivelmente se sentirá tão mal quanto uma mulher ao se ver engolido pelo mundo de competição diária. Mas muitos conseguem extrair uma espécie de prazer nesse mundo bélico, o prazer pela competição, o prazer de vencer obstáculos, conquistar objetivos cada vez mais difíceis, provar a própria força.

Já a mulher tem, por definição de seu próprio gênero, uma maior facilidade em navegar no mundo interno dos sentimentos e uma maior dificuldade em mover-se no mundo externo, prático e objetivo. Para ela, as batalhas diárias são extremamente extenuantes.

Ou seja, a mulher precisa despender uma enorme energia para fazer a mesma coisa que o homem faz. E assim, desenergizada, a mulher começa a enfraquecer por dentro, por mais que se torne aparentemente “poderosa” aos olhos dos outros.

Ouçam: “ Se não tiver espaço para o feminino em sua vida, a mulher começa a morrer por dentro, a secar... como uma flor que não recebe a água de que necessita.”

Triste imaginar um mundo sem flores, não é?

A mulher sempre teve um papel importantíssimo na vida dos homens... o de ajudá-los a contatar o feminino em si. É claro que a mulher não pode ser a eterna responsável pelo contato de um homem com seu feminino, deve chegar o momento em que ele encontre esse feminino interno por si mesmo; mas as mulheres sempre foram importantes pontes nesse processo. A ponte que conduzia os homens a esse mundo tão desconhecido. Como uma fonte sagrada, as mulheres sempre tiveram o poder de suavizar a vida, criar acolhimento e cura após as batalhas masculinas. O homem podia guerrear, pois sabia que viria o momento em que voltaria para sua casa e lá seria curado pelo feminino, pelo amor, pela suavidade. (Ah, como os homens andam sentindo falta disso...)

Com a perda do feminino, os homens também perderam esse lugar de acolhimento. As feridas ficam abertas e já não há o templo sagrado onde a vida possa regenerar-se.

Estamos fora de equilíbrio, a meu ver. Todos sofremos com isso.

Precisamos caminhar em direção a um maior equilíbrio entre o masculino e feminino internos, priorizando um resgate do feminino em nossas vidas, de modo geral.

Como podemos fazer isso?

Compartilho algumas ideias a respeito... sugiro que a elas cada um de vocês some as suas próprias sugestões:

Equilibre seu lado masculino e feminino

- Reaprenda a dar mais ouvido ao que se passa dentro de você;

- Repense o valor e espaço que dimensiona para o seu trabalho, revise necessidades de consumo, valorize mais as coisas simples da vida;

- Busque um resgate da compaixão em suas relações, resgate a gentileza, o cuidado com o outro, faça trocas mais equilibradas, do dar e do receber;

- Podemos resgatar o nosso feminino interno criando momentos de interiorização, silenciando a mente cobradora e ouvindo mais o nosso coração e a nossa intuição.
_______________________________________________________
Achei a matéria interessantíssima além de muito sensata. Pra mim faz todo sentido. Claro, as excessões existem e EU não sou uma delas. rs

Emprestado daqui Ó

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Vida de Casal...

Para quem já casou...
Para quem pensa em casar...
Para quem passa por problemas no casamento ou
Para quem acha que nunca passará!!

A Prova de Fogo
 

A Saga em números...

Como Crepusculuzete assumida que sou, achei os números abaixo bem  interessantes.
 
 

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Huck, Me leva pro Japão??!! Vai Corinthians!

Olá, bom dia.

Só desistir depois de tentar de todas as maneiras, esse é meu lema.

Então, mesmo com vergonha, postarei no Blog também!!rs

Me leva pro Japão pra ver o Jogo do Corinthians, por favor????!!

Já o acompanhei em tantos lugares...e quero mais este.

Posso cantar o Hino (do Corinthians, do Brasil, da Bandeira) em Japonês, o que acha?rs
 
Dentre milhares de fotos, escolhi estas:
2009 - Porto Alegre - Final da Copa do Brasil
2010 - Salvador - Campeonato Brasileiro
2011 - Florianópolis - Campeonato Brasileiro
2012 - Times Square - Nova York - dias antes da Final da Libertadores

Vai Corinthians!!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Bocadinho da semana 19 à 25 Nov 2012


1 mês sem chocolate: NUNCA MAIS! Como chocaholic assumida fiquei nervosa, raivosa e afins.
Amanhecer parte II: nem acredito que a saga terminou....tô sofrendo!!

Clube das Esposas: Em 2008 entrei para o Clube das Noivas. Um grupo do Yahoo onde noivinhas trocam idéias, anseios, fornecedores e afins antes de se casar. Casei e fui para este Grupo, o das casadas. Eu estava ausente há um tempão, mas depois desse encontro, com 60 esposas do Brasil todo me deu gás total pra voltar. Parecia que nos conhecíamos desde sempre. Nota MIL! Foi tão delicioso que já estamos programando o de 2013.

domingo, 25 de novembro de 2012

05 julho - Animal Kingdom

Dia 05/07 (quinta feira) fomos para o Animal Kingdom. Grande parte da turma que já conhecia, preferiu ir às compras. Mas lá fomos nós pra mais um parque, novidades, que delícia!!
Chegando lá, aquela deliciosa recepção educadamente educada. Senhores devidamente posicionados informando com gestos o seu local de estacionar. E não tem discussão, nada, é por ordem de chegada e ponto!


Que parque lindo. Lotado de verde. Uma árvore maravilhosa e enorme chamada A Árvore da Vida no centro do parque. Linda, linda. Ela é artificial mas com cara de verdadeira. Seu tronco é totalmente esculpido, vários animais ali representados com perfeição. Minimalista ao extremo, coisa de louco, como tudo por lá.
*E esses detalhes fazem toda a diferença. Você se sente importante, se sente parte daquilo tudo mesmo que por alguns dias. Você paga caro? Paga! Mas vale cada centavo!
O parque (que é dividido - e ambientado - em Continentes) em si não tem muuuitas atrações pra gente grande. E um inconveniente é que por ter muitas plantas acaba ficando muito abafado. No final o marido passou até mal, baixou a pressão. Também, naquele dia (e nos outros também) deve ter feito uns 40°.
O teatro da Vida de Inseto é sensacional.


O show do Procurando Nemo também! E ainda bem que fomos, porque se dependesse dos homens a gente não tinha ido em nada.
Em um brinquedo de corredeira daqueles que você vai em um bote grande para umas 8 pessoas e ele percorre um rio (água, refresco, VIVA!!) passamos horas na fila e no final nem era tão legal assim, mas, faz parrrte!
Agora, a montanha russa, Everest...UAU! Que delícia!! Mais uma vez fomos no Single Rider e nem pegamos fila! Filho fez uns (vários) vídeos. Segundo ele, eles foram umas 10x porque como eu comentei, o parque não tem muitas atrações pra quem gosta de adrenalina. E os vídeos? Eu deletei todos sem ter baixado pro Youtube. Deu muita, MUITA raiva de mim mesma, mas, cabeça avoada (não) faz parte também.
Como nesse dia os adolescentes ficaram sozinhos, só com o rádio, combinamos e nos encontramos na lanchonete para comermos o nosso saboroso sanduíche da marmita e aguardamos a parada.


A Parada: Que linda! Com Mickey, Minnie e cia dançando e acenando...AMEI!! Dei tchau pra todos eles (e eles pra mim kkk), que emoção!
Não contente com isso já indo embora vi que tinha lugar onde os "astros" ficavam e podíamos tirar fotos. Ahhhh, não tive dúvidas, convidei as crianças pra não ficar tão envergonhada e lá fomos nós.
A Minnie linda primeiro e depois o Mickey. A maloqueira aqui levou a bandeira do Corinthians, mas fui advertida pelo segurança que fica ao lado de cada um que, pelo fato do ratinho ser "patrimônio mundial" não poderia tirar foto com a bandeira X ou Y.
Fotos feitas...missão cumprida! Partiu casa.


Momento "Pataquada": Uma de nossas crianças estava no carrinho e para entrarmos no teatro ele teve que ser deixado do lado de fora, em um local especialmente para isso. Você deixa o carrinho e ganha uma pulga atrás da orelha mas na saída, geralmente ele está no mesmo lugar.rs
Deixamos o carrinho "estacionado" e na saída, cadê?? Procura de um lado, do outro, porque às vezes, para ajeitar o 'estacionamento", eles mudam de lugar. Eis que a dona avista um carrinho igual, com criança sentada. ela pensou por alguns instantes e fomos lá, eu como "tradutora" (que vergonha!!!). Ela questionou se aquele carrinho era realmente deles e eles confirmaram que sim. Ela deu uma bisoiada de perto e realmente não era o dela. Saímos com o rabo entre as pernas, sob olhares reprovadores da família, mesmo embora não tenhamos chegado de maneira grosseira. No final das contas o carrinho estava um pouco mais distante, mas lá. Ufa! (e na saída do parque demos de cara com essa família...rsrs)


Adendo escatológico: Na fila para o Safari...tinha uma turma na nossa frente, eram latinos. Falavam alto e brincavam muito. De repente alguém solta um PUM e a nada discreta chica berra para o amigo (como se ele que tivesse soltado), grita Aroooo e começa a gargalhar em alto e bom som. Como castelhano não é uma língua difícil para nós brasileiros, entendemos a história toda e a cada cômica gargalhada da mulher a gente ria junto. Por sorte ficamos todos no mesmo "comboio" o que tornou nosso Safari muito mais divertido e, até o final de nossa viagem, quando um cheiro estranho subia no ar alguém gritava: Arooooo.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

04/07 - Dia de (MUITA) água e (MUITÍSSIMA) alegria!!!

Uma das minhas únicas solicitações de cronograma foi que neste dia escolhêssemos um parque que não precisasse de um dia todo pois nesta noite seria a final da Copa Libertadores da América.

Escolhemos o Thyphoon Lagoon.

Uma delicinha de parque. Tudo tão detalhista (como todos os demais), tão colorido, tão lindo...um sonho!!

Infelizmente chegamos tarde e claro, os melhores lugares já estavam tomados. Mas mesmo assim conseguimos 2 ou 3 míseras cadeiras na sombra. Aos poucos notamos que as outras cadeiras debaixo do mesmo guarda sol, enorme por sinal, estavam guardadas/reservadas (com alguma peça de roupa em cima) e o dono das vestes estavam acomodados (também) em outro lugar. Mais propriamente num espaço alugado (recomendo! Mas não sei valores) com cadeiras e mesas, sombra...devidamente e deliciosamente acomodados. De onde essas pessoas estavam, podiam ver o nosso malabarismo pra nos acomodar e nada faziam. As espreguiçadeiras continuavam lá, vazias.

Resolvi buscar meu inglês de briga lá no fundo e fui procurar um segurança pra ver se eles resolviam e terminavam com a folga dos loirudos brutamontes. Expliquei que o pessoal não estava usando as cadeiras e tal. Ele disse não ser o responsável por isso mas que relataria o problema e, passados alguns minutos um segurança conversava com os folgados em questão e lá foram eles liberar algumas das cadeiras. UEBA!!


Se não me engano consegui ir em um toboágua apenas, daqueles com bóia. Gostosinho e tranquilinho.

O ponto forte é a piscina de onda. De tempos em tempos um grande barco que fica no alto da paisagem toca a "buzina" algumas vezes e a água jorra do barco (paralelamente a contagem regressiva da onda gigante) ...e quando a onda vem, forte pra burro, a gritaria é grande, um barato!

Infelizmente o céu começou a encher de nuvens e algumas muito escuras chegaram. Aos primeiros raios (e trovões) os autofalantes explicavam o porque do fechamento dos brinquedos. Quando a tempestade começou os autofalantes nos mandaram embora mesmo! Saímos de lá na corrida e chegamos no carro ensopados. Foi engraçado e refrescante!!

O bom foi que chegamos cedo em casa (bem antes do previsto) já sem chuva. O Canal de TV argentino só falava sobre a grande Final da Libertadores.

Nossa opções eram:

- Ir no Restaurante brasileiro tentar ver, já que alguns diziam que IA passar e outros diziam que não;
- ver pela internet, eu já tinha pedido algumas opções de sites pra acompanhar;
- e agora a opção da TV.

O tempo foi passando e a hora chegando...um amigo do marido que também estava lá ligou e disse que no Camilla's teria um telão. Mas nós, os cabeça duras ficamos lá. 5 minutos para o jogo e a TV argentina muda o foco e começa a passar outro esporte, nem me lembro qual, tamanho o nervoso. Devemos ter rodado todos os canais umas 5 vezes e, NADA. No computador, mesmo com a ótima velocidade da internet, não conseguíamos fazer nem mesmo o site pago funcionar. DESESPERO!

**nervoso total relembrando e descrevendo o momento...rs

22h do SP e 21h de Orlando

Ligamos o computador na rádio e ficamos ouvindo. Imagina uma final de campeonato daquela importância no rádio?! De surtar qualquer torcedor fiel! E fora que, de 1 em 1 minuto, a transmissão era cortada...olha, agora é cômico, mas na hora....

Confirmamos com o nosso amigo e no Camilla's tinha o bendito telão. 15 minutos pra terminar o primeiro tempo pegamos a van do salcicha e lá fomos nós. Viva, VIVA o GPS!! Foi difícil manter a velocidade permitida. E, já na estrada soubemos que, ao sair de casa, a net tinha funcionado e quem ficou estava vendo o jogo pelo computador...tinha que ser assim!!

A noite estava maravilhosamente linda e a lua enormemente boluda!!

Chegamos no destino e, quem disse que encontramos lugar pra estacionar o trambolho? Uma volta e nada, nessa desci do carro e fui ver o jogo, que já tinha começado o segundo tempo. O marido travado de nervoso dentro do carro, batendo no volante no estilo "um dia de fúria", se perguntando o que estava fazendo ali e tentando encontrar lugar....eis que ouço a explosão do GOL. Nessa hora o amigo liga no rádio avisando e, sem achar o telão eu o bipava querendo saber de quem tinha sido. Encontrei o telão e vi que tinha sido do Corinthians. Eu berrava tanto, entre gritos e gestos, pro marido tentar ficar um pouco mais tranquilo. Tranquilo? Ele estacionou o BIG CAR no primeiro espaço (proibido) que coube.

Ver aquela corinthianada toda, que mais parecia estar num barzinho na Vila Madalena, foi confortante. Nós e mais umas 98 loucos pessoas. Mas nem mesmo com o gol ficamos calmos. Cada um no seu modo de torcer, vidrados... sendo o local espaçoso eu podia ficar de um lado pro outro, tentado extravasar o nervosismo, pelo menos o das pernas! E no segundo gol, ahhh no segundo gol...aquilo explodiu.

 
Dez minutos antes do término do jogo um palmeirense devidamente fantasiado sobe em sua super moto possante, dá a partida e grita algumas coisas do tipo, vai virar, vocês vão perder, chupa (etc e tal). Eis que a sua nem tanto possante moto morre. Vocês imaginam o quanto esse coitado foi xingado? Ele tenta ligá-la de novo e nada. Até que algum colega o salva de mais vaias e o tira do meio da rua. Sorte dele que:
1) O jogo não tinha acabado;
2) O Corinthians estava ganhando;
3) Ele não estava no Brasil.

Foi cômico e melhor, ele pode ficar lá pra ver o apito do juiz e os gritos, berros, assobios e até alguns fogos de um
 
CORINTHIANS INCONTESTAVELMENTE
CAMPEÃO!!!
 
A minha bandeira foi perfeita...muitos, dentre brasileiros e gringos, vinham pedí-la  emprestada para as fotos. Até eu saí em algumas...foi sensacional.

Abaixo um vídeo que gravei do momento do apito final do juiz. Desculpem a péssima qualidade do mesmo, a emoção bloqueou toda e qualquer tentativa de sucesso nesse momento: 

 
 
Comemoramos no estilo mais americano possível: Mc Donalds! Afinal, a fome só veio depois do jogo, claro.
 
Fomos dormir tranquilamente felizes, CAMPEÕES!!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Você vive seu sonho?

Enfrentar helicópteros, vulcões, corredeiras e tobogãs exige apenas que tenhamos um bom relacionamento com a adrenalina.
Coragem, mesmo, é preciso para viajar sozinha, terminar um casamento, trocar de profissão, abandonar um país que não atende nossos anseios, dizer não para propostas lucrativas porém vampirescas, optar por um caminho diferente, confiar mais na intuição do que em estatísticas, arriscar-se a decepções para conhecer o que existe do outro lado da vida convencional. E principalmente, coragem para enfrentar a própria solidão e descobrir o quanto ela fortalece o ser humano.

Martha Medeiros

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

De repente, 16!

Ontem foi aniversário do meu pequeno (cof cof cof).
 
Até os 10 eram fofurices...
Dos 11 aos 13, descobertas...
Dos 14 aos 15 estresses, preocupações...
O que será que me aguarda neste próximo ano???
 
____________________________________________________
 
10/11
 
- Gabriel, o que você quer fazer amanhã, no seu aniversário?
- não sei.
- Então se não pensar em nada a gente vai jogar boliche.
- não quero.
 
11/11
 
- O que acha de irmos ao Pico do Jaraguá ou no Mercado Municipal, no parque?
- não.
- pra Embu das Artes?
- não.
- então se troca AGORA que a gente vai andar até o Zoológico.
Na volta...
- e agora, o que você quer fazer?
- ir ao shopping.
E lá fomos nós enfrentar a muvuca dominical de um shopping.
- quer dar uma volta?
- não.
- o que você tem, está bravo?
- não.
 
Seu primeiro dia de 16 foram praticamente 12 horas de bico, um bico lindo, fato, mas difícil de qualquer mãe entender.
 
E pra quebrar o gelo cantamos parabéns com cupcakes.
E no carro pedimos pra ele escolher um número de 0 a 5...e cantamos parabéns de novo.
Depois de 0 a 10 e mais um parabéns.
Entre resmungos ele ria...
 
A gente continua amando e torcendo, aproveitando e se preocupando. Alguns mais, outros menos mas todos sempre!
 
Que Deus continue te protegendo, todos os dias, filho.
Endireitando seus caminhos.
Te mostrando a verdade.
Acalmando sua respiração.
Te dando paciência.
Te ensinando a confiar, a esperar.
Abrindo seus olhos e os olhos do seu coração.
 
E eu? Estarei sempre aqui.
Pois você é o que de melhor eu tenho,
Tudo pra mim!
 
"It's you, it's you, you make me sing
You're every line, you're every word, you're everything"
 
 
 
 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

terça-feira, 6 de novembro de 2012

"Cadinhos da Semana x 2

A Correria está grande...final do ano chegando e o tempo encurtando...

22 à 28/10...


Um parênteses para a manhã e tarde do dia 27...eu e filho participamos como voluntários do fantástico Projeto Time do Povo...


29/10 à 4/11...


...porque Viver é Bom Demais!!! Tks Lord!!!

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Letter to Universal Pictures about TED/Carta à Universal Filmes sobre TED

Last Saturday I went with my son of 16 years old watch the film, TED. The film is fine, many times funny, ok, but, in its first scene, unfortunately, TED appear smoking marijuana. I don’t know how EUA try to combat (or encourages) the drugs, but I believe there, like in Brasil, it is a problem…a BIG problem. I only tried to have a healthy way to have fun together, went to the cinema and watched a teddy bear and its owner using marijuana (and cocaine). And now? How can I tell again to my son that using drugs it’s a bad idea? How can I explain about its dangers if a simply children’s toy do it and have a lot of fun and everybody laugh a lot? In the minimum was disappointing.

Very sad know that you don’t measure efforts to make money. Can be with a problem that affects the world, mainly children and teenagers, whatever it is. EVEN VERY SAD!  

_______________________________________________________________
_________

Carta à Universal Filmes sobre TED:


Sábado fui com meu filho de 16 anos ver o filme, TED. Apesar do filme ser engraçado e tal, na sua 1ª cena, infelizmente, o tal ursinho aparece fumando maconha. Não sei como os EUA tratam o combate (ou incentivo) às drogas, mas creio que lá, assim como no Brasil, seja um problema... e dos grandes. Busquei uma maneira saudável de nos divertir juntos, fomos ao cinema e eis que me deparo com um ursinho de pelúcia e seu dono usando maconha (e cocaína). E aí?? Como eu ratifico a informação ao meu filho de que usar drogas faz mal? Como explico sobre seus perigos se um brinquedo de criança o faz e se diverte e todos dão muitas risadas? Foi, no mínimo, decepcionante.
Muito triste saber que vocês não medem esforços pra ganhar dinheiro. Seja com um problema que afeta o mundo, principalmente crianças e adolescentes, seja lá o que for. MUITO TRISTE MESMO!