terça-feira, 30 de outubro de 2012

Refeições de Viagem...saborosamente deliciosas e...calóricas!!

Por quase 15 dias nossas refeições foram assim:

Café da Manhã:


A vontade de waffles é tanta que já pedi a "wafflezera" da mamãe emprestada e prometi pros meninos um café da manhã americano pra matarmos a saudade.
____________________________________________________

Almoço/Lanche:

1) Pra economizar;
2) Pra não comer todo dia hambúrguer e fritas;
3) De excessão uns 2 dias comemos lanche, outros 2 comida chinesa (não posso nem lembrar...eca!), outro dia taco mexicano, um dia comida (carne e...fritas), no restante, foi isso:


Pringles que aqui nem sei quanto custa só sei que me recuso a comprar, lá, $1,00.
O Honey Ham pra quem gosta de sabor agridoce é perfeito. No final da viagem não podíamos ouvir falar, mas agora já sentimos temos vontade.
_________________________________________________

Jantar:

Às vezes salada, algumas frutas, mais o mais rápido e os mais pedidos eram:


Ahhh e Kit Kats também!! tinha uma super embalagem que vinha miniaturas de 3 tipos: chocolate normal, chocolate amargo e chocolate branco, todos, extremamente deliciosos.

Essas pastas/risotos da Knorr que aqui custam um absurdo, lá, cada um, $1,00.

Confesso que para escolher os sorvetes eu penei. Porque era tanta a variedade que, nossa...

Mesmo comendo esse monte de besteiras todos emagrecemos, o ritmo era frenético. Andávamos muito, delícia!!!

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

03/07 - Dia de Compras - Cartões, escondam-se!!

Nosso primeiro cronograma não era esse, mas, soubemos que durante a semana da independência as promoções são ainda melhores (fato!!) então mudamos a ida ao Outlet para o dia 3.
ADENDO: Sair cedo de casa era praticamente uma Missão Impossível. Por isso, caso viaje com um grupo grande e não quiser se estressar, certifique-se ANTES que os objetivos (e pique) do grupo são os mesmos. Ex: se você NUNCA foi pra esse lugar, CUIDADO, as pessoas que já o conhecem podem não ter o mesmo anseio por conhecimento e diversão que você.
 
Continuando...antes de ir ao Outlet passamos na Wallgreens.

Uma farmácia gigantesca que mais parece um supermercado. Variedade imensa de produtos a preços extremamente convidadivos, uma loucura. Um exemplo: Marido usava um desodorante aqui que não existe mais, o Speed Stick. O similar, aqui, custa aproximadamente R$12,00. E lá o original...$2,00. De ficar maluco, não?! Resultado, estoque de desodorante. Após mais de uma hora de compras e pela quantidade de sacolas já podíamos voltar pra casa mas, o concurso de carro mais lotado estava apenas começando. Partimos para o Outlet Premium Vineland.
 
 
Cada família com a sua mala de rodinhas a postos, sim, mala de viagem grande, gorda e vazia. A melhor coisa pra grandes compras, coisa de brasileiro deslumbrado, babando pra gastar.
Gabriel reclamou que a mala estava difícil de levar, foi quando vimos que ela estava sem uma rodinha. Depois de pagar $25 pra ela viajar ainda a quebraram. Que raiva de não ter visto antes pra poder reclamar já no aeroporto. Mas decidimos depois comprar outra, mas esta, no final do dia se arrastava já com parte de tecido destruído pelo peso e desgaste...foi cômico. rs
Acho que entramos em 90% das lojas. Loucura de preços, de gente, de tudo. Quando nos demos conta que nosso estômago roncava de fome e olhamos no relógio, eram 18h, então partimos para o almoço.
São lojas após lojas, roupa, sapato, comida, igualzinho um shopping e, mesmo não sendo fechado (é térreo e a maior parte coberta) você perde totalmente a noção de tempo. Quando foram me resgatar já estava fechando, 23h.


Colocar todas as malas no carro foi engraçadíssimo, parecia quebra cabeça, mas no final deu tudo certo.
Ao chegar em casa os homens ainda tiveram força pra beber cerveja e nós, fazer algo pra jantar. Uma das vantagens da casa foi exatamente essa, compramos montes de um macarrão da Knorr que, misturado com água e leite, em poucos minutos ficava delicioso.
 
Melhor mesmo era a nossa cama após tanto cansaço, que delícia!


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

10 profissões mais propensas à depressão... :o(

O site da revista Health listou as 10 profissões que são mais propensas que seus profissionais tenham depressão, ocasionada por estilos de vida incomuns e estressantes. Para a a conselheira de saúde mental e PhD, Deborah Legge, há certos aspectos que apontam que qualquer trabalho pode contribuir para exacerbar a depressão. “Porém, pessoas que trabalham com cobranças e tensão têm maiores chances de desenvolver a doença do que, por exemplo, pessoas que trabalham com gestão. Às vezes, os profissionais não se dão conta que estão doentes e que precisam de ajuda”, disse Legge.
Você ficou na dúvida se sua profissão está na lista? Confira abaixo as 10 carreiras que precisam de atenção:

Enfermeiras e cuidadoras de crianças
Esse grupo de profissionais está no topo da lista, com quase 11% que enfrentam a doença. Um dia típico pode incluir alimentação, banho e cuidar de pessoas que são incapazes de expressar gratidão e apreciação, "pois, eles estão muito doentes e muito pequenos para isso. Ou simplesmente não têm esse hábito”, revela o psicólogo clínico da Tufts University, Christopher Willard. “É estressante ver as pessoas doentes e não conseguir motivá-las positivamente”.


Garçons
Muitos garçons têm salários baixos e enfrentam jornadas de trabalho cansativas, tendo de lidar com inúmeras pessoas mal-educadas e briguentas. Enquanto 10% destes profissionais que enfrentam depressão a mais que no ano anterior, quase 15% são mulheres. “Muitas vezes, esse trabalho é ingrato. As pessoas podem ser rudes e há grande esforço físico diário. Quando as pessoas estão deprimidas, é difícil ter energia e motivação”, ressalta Legge.


Assistentes sociais
Não é surpresa constatar que os assistentes sociais estão entre os cargos com maiores chances de depressão. Lidar com crianças vítimas de abuso ou abandono e famílias à beira de inimagináveis crises e combinar essas situação com muita burocracia pode deixar qualquer profissional estressado.

“É errado cultivar uma cultura que dita sacrifícios emocionais em pró de um bom trabalho”, diz Willard. Isso se aplica, principalmente, com os assistentes sociais, que trabalam com pessoas carentes e se sentem presos ao próprio trabalho, por achar que não estão dando o máximo de si. É uma pressão muito grande atribuir ao seu trabalho sentimentos como tristeza, dor, felicidade, culpa.

Profissionais da saúde
Médicos, enfermeiros, terapeutas, fisioterapêutas e outros profissionais da área da saúde. Essas carreiras exigem longas e cansativas horas de trabalho e nos mais improváveis horários, tudo com muita atenção e cuidado. Além de atingir o físico, esses profissionais estão constantemente colocados em situações extremamente emotivas, em que vidas de outras pessoas estão em suas mãos, literalmente.

Em outras palavras, o estresse e a pressão sempre desafiará seu bem estar. “Todos os dias eles estão lado a lado com doenças, traumas e mortes, além de lidar com membros da família dos pacientes. Isso pode gerar uma triste perspectiva, que todo o mundo é assim”, lembra Willard.

Artistas e escritores
Essas carreiras podem trazer contracheques irregulares, horas incertas e isolamento. Muitos diriam que pessoas criativas são menos tristes, mas pense se as mesmas não conseguem ter inspiração? De acordo com a publicação, houve um aumento de 9% dos profissionais da área que relataram problemas com depressão, em relação ao ano passado. “O que mais eu vejo é bipolariedade entre os artistas. A depressão é comum para aqueles que trabalham com artes, pois seu estilo de vida contribui para isso”, afirma Legge.


Professores
Muitos professores trabalham em mais de uma ou duas escolas e ainda levam trabalho para casa. Em outras situações, eles aprendem a fazer muito com pouco recurso e tempo. “Há pressão para dar um bom ensino as crianças. Seus pais e escolas cobram do professor o cumprimento de normas e de demandas diferentes”, considera Willard. Para ele, as constantes cobranças podem fazer os profissionais esquecerem da razão de ter escolhido a área.


Profissionais de apoio administrativo
Pessoas dessas áreas, que incluem secretárias e atendentes, sofrem de um caso clássico: alta demanda, baixo comando. Eles estão na linha de frente, recebendo ordens de todas as direções, tanto dos clientes quanto dos patrões. Ainda, são normalmente mal-remunerados e se sentem inferiores por não ter poder para fazer além. Antes de duvidar do estresse causado por essa carreira, conte quantas vezes você já ouviu de algum atendente ou secretária a frase “isto não está ao meu alcance. Poderei lhe encaminhar para o gerente, aguarde”.

Além disso, não são reconhecidos por seu trabalho e ainda precisam contornar educadamente qualquer crise de seus patrões ou consumidores.

Profissionais de manutenção
Como iria se sentir caso apenas fosse procurado quando algo der errado? Isso é essencialmente o “ganha-pão” dos profissionais de manutenção, como encanadores, pintores, eletricistas, entre outros. Eles também têm de trabalhar horas incomuns, pois para atender a demanda, precisam ser rápidos e acessíveis, senão perdem para a concorrência.

Ainda, ganham pouco e fazer trabalhos cansativos. “Em termos de colegas de trabalho, eles são isolados, e isso pode ser um trabalho um tanto solitário”, pontua Willard.

Consultores financeiros e contabilistas
A frase “tempo é dinheiro” se coloca perfeitamente na situação. A maioria das pessoas não gostam de lidar com seus próprias finanças, então imagine lidar com milhares ou até milhões de outras pessoas? “Há grande responsabilidade em cuidar de finanças que não são suas e, ainda por cima, o profissional não tem controle do mercado. Nem sempre é sua culpa, mas mesmo assim, os clientes perdem dinheiro e eles provavelmente tirarão satisfações tão pouco educadas com esses profissionais”, ressalta Legge.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

"Cadinhos da Semana #8


De última hora......Precisei viajar.....um dia e meio em Recife pra um evento. Ainda não conhecia a cidade. Tão linda que valeu pela semana (extremamente difícil, por sinal) toda!!!
 
 
*Senhor, sabes das minhas dores, meus problemas e dificuldades, coloco-os nas Tuas mãos.
Sei que fará o melhor pras nossas vidas!
Te agradeço desde já, desde sempre, sempre.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

"Cadinhos da Semana #Y



Precisando mais e mais de Deus, e da oração de cada um de vocês!! Obrigada!!

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Filhos...Filhos....

"Os pais de hoje acreditam que seus filhos serão melhores do que os dos outros ou serão melhores profissionais se eles começarem a ler mais cedo, a falar mais cedo, a tirar a fralda mais cedo.E o que mais mais cedo? Ter depressão mais cedo? Iniciar a vida sexual mais cedo? As meninas já freqüentam o salão de beleza aos 3 anos de idade e os meninos precisam estar afiados na soma e subtração. Porquê? Para quê essa pressa? Sim, o mundo está mais competitivo. Sim, o mercado exige mais do profissional – línguas, experiência, inteligência … Qual é o plano, então? O recém nascido já sai da maternidade com o compromisso de ser um profissional? E competente, certo?

Antes de nos tornarmos profissionais, bons profissionais, temos de ser crianças, e crianças felizes, que brincam, que riem, que choram, que se frustram, que ganham e perdem, que aprendem, ou seja, crianças saudáveis,para que, no futuro possamos ter a capacidade de lidar com a vida como ela é.

A agenda de compromissos diários de uma criança hoje é a mesma, proporcionalmente, a de um executivo. Escola bilíngüe, natação, balé, judô, kumon, entre outras atividades que ao invés de adquirir essas aptidões ela se estressa, não sabe relaxar e está sempre querendo saber qual será a atividade seguinte.
Estamos criando crianças ansiosas, muito agitadas e que não sabem aproveitar o momento presente. Além disso, os pais permitem com que elas escolham absolutamente tudo o que faz parte da vida delas, como que se uma criança de 2, 3 , 4 anos e assim por diante tivesse maturidade de escolher o seu vestuário, brinquedo, comida, entre outros. “ O que você quer almoçar hoje, meu filhinho de 2 anos?” “ Escolha um livro, minha querida filha de 3 anos”! Pais, está na hora de acordar! Acordem dessa situação sem sentido, sem propósito e nociva ao futuro dos seus filhos. Crianças são crianças e adultos são adultos.

A criança de hoje não é mais, realmente, a mesma de 20 ou 30 anos atrás, elas são NATURALMENTE mais atentas e espertas, pois o mundo mudou, o meio em que vivemos mudou, mas ser criança, viver incríveis descobertas, viver a inocência, a novidade, a fantasia,o carinho, a atenção e o afeto dos pais não tem preço, nem agenda e nenhuma aquisição de informação precoce que substitua o alimento vital e primordial da criança – o amor. E amar o seu filho não é dar a ele todos os brinquedos anunciados na TV, nem fazer uma mega festa em seus 4 anos de idade, nem comprar só o tênis de marca que vai usar por poucos meses e nem dar a ele como prêmio, por ter lhe obedecido, um “belo” almoço em uma rede de fast food.

Amar é criar hábitos saudáveis, é insistir na fruta e nos legumes todos os dias; é levá-lo ao parque em contato com a natureza e não só aos shoppings e supermercados, em prol do conforto e comodidade dos pais. É fazê-lo repetir palavras como “obrigado”, “por favor”, “de nada”, “ desculpa” em todas as circunstâncias que exigem esse tipo de tratamento. É deixá-lo menos com a babá e permiti-lo com que ele fique mais com você. É substituir um carrinho eletrônico ou um DVD por um gostoso beijo e abraço e alguns instantes de atenção. Aprendam, pais, educação não se compra, se dá e se vocês querem ter filhos profissionais no futuro, garantam primeiro a felicidade e o aconchego do coração de saberem que sempre foram muito, mas muito amados. E não se esqueçam que antes de terem a preocupação de formar um bom profissional, seja pelo receio do futuro ou por orgulho e vaidade, seus filhos são, antes de mais nada potencias seres humanos, que irão direcionar seus olhares e anseios durante todo o percurso de suas vidas com os valores e prioridades que vocês, pais, escolheram hoje.

A grande revolução mundial na década de 60, onde tudo foi questionado e a busca pela expressão e liberdade deram ao mundo uma nova perspectiva, acabou influenciando também o modo de educar os filhos. Se fui reprimido e obrigado a seguir as regras dos meus pais, com meus filhos tudo será diferente…Não sou aversa a liberdade de expressão muito menos contra a busca do pensamento livre e criativo, mas houve muita má interpretação a partir desse movimento sobre o que é criar e educar um filho com pensamentos e atitudes livres de preconceitos, julgamentos, imposições ou radicalismos. Determinar que seu filho escolha e decida tudo antes de atingir a sua real maturidade não é seguir uma educação que traz liberdade ou felicidade ao seu filho. Na verdade, você está se omitindo enquanto educador, ou seja, enquanto pai ou mãe, e olhando para seu filho como um semi-deus, que já nasceu sabendo, que tem poder de decisão, critério e tudo o mais que vemos por aí, como se os pais tivessem de ser subjugados pelos seus filhos para não terem o remorso de não terem sido fiéis ao movimento hippie. Quanta inversão de papéis,não? Quem disse que seus filhos não podem se frustrar com algo? Que mundo vocês estão construindo, ou melhor, fantasiando para seus filhos que não existe? Não existe vida sem frustração, sem erros, sem derrotas e tristezas. E o mais incrível, senão irônico é assistir os resultados dessa educação extremamente permissiva e sem limite algum, o que torna o recém-adulto muitas vezes em tirano, radical, revoltado e o que é mais irônico, desrespeitoso com seus pais. Se eles sempre tiveram e fizeram tudo o que quiseram, pobre pai ou mãe que não continuar nesse interminável jogo de dar, dar e dar. Até chegar o dia em que você acordar quando o seu filho te der um belo tabefe no rosto, assaltar a sua carteira ou exigir aos berros algo completamente fora de sensatez. Exagero? Não. Exemplos reais e infelizmente, mais comuns do que possam imaginar."


( AUTORA: Cintia Auilo)

sábado, 6 de outubro de 2012

3º e 4ª dia...Porque a vida é uma festa!!!

3º dia de viagem - NY - Acordamos antes das 4 horas da madrugada, ainda era noite e, calor! O taxista já nos aguardava porque, ir de metrô, só se fôssemos malucos.
No caminho, um lindo amanhecer.
5 e meia da manhã e o aeroporto JFK já lotado, transeuntes de lá pra cá, agitação total.
Fiquei embasbacada e muito brava pois fomos obrigados a pagar $25,00 de embarque, por cada mala. Eu acredito que, por ser vôo nacional e geralmente barato, existe esta taxa. 
Embarque, vôo e soneca tranquilos e....chegamos a Maravilhosa Terra do Mickey, que emoção.

Pegamos nossas malas e corremos para a frente da empresa que locamos os 2 carros (sim, porque éramos 17 pessoas), lá seria nosso ponto de encontro com a galera que vinha do Brasil.
Tempo passava e nada, isso porque eles teoricamente chegariam 30 minutos antes de nós. Mas vôo internacional...vai saber, né?!
Tic Tac e nada....acho que esperamos umas 2 horas até que tivemos a brilhante idéia de perguntar se a locadora teria unidade em outra torre naquele enorme aeroporto. Dito e Feito (ai que buuurrosss).
Encontramos todos, suando, mas firmes e fortes.
Carros escolhidos (sim, porque você reserva a categoria - reservamos e pagamos no Brasil - eles te dão as chaves e você mesmo escolhe o seu dentre os disponíveis), malas malabaristicamente guardadas (mal sabíamos na volta...) e lá fomos nós para o nosso primeiro destino: Wall Mart.

Ahhh o Wall Mart...pra quem é chegado em um supermercado, como eu, vai amar aquele lugar. Eu passaria brincando umas 3 horas lá dentro. Para cada ítem existem 3 tamanhos (que começam no G - aí a gente entende porque o índice de obesidade lá é bem grande tamanha a generosidade convidativa ao consumo em enormes proporções), 5 marcas, 9 sabores. É de ficar doido. Fora que lá tem roupa, coisa pra casa, badulaques, tudo. Fora as delícias. Sem falar nos preços, não digo barato e sim, JUSTO! Tudo um sonho. Pra mim, claro. rs


Como esta foi nossa primeira compra e ficaríamos hospedados em uma casa, compramos ítens básicos para, inclusive, limpar a casa, lavar roupas e etc.
Confesso que só fui embora porque a galera estava cansada e apressada...enquanto eu não tinha chegado nem na metade. Fiz o marido prometer que voltaríamos lá!rs
Seguimos para o escritório de onde locamos a casa. Por termos chegado no domingo, o escritório estaria fechado e eles combinaram de deixar "as chaves" no cofre que ficava do lado de fora da empresa. Tínhamos as senhas. Friozinho na barriga até estar com as chaves (que na verdade eram outras senhas já que a casa não tinha chave, era tudo automatizado. "Porque os americanos são beeem melhores" rs). Tudo ok.
Chegamos na nossa nada humilde residência. Linda, lindíssima. Como eu queria morar em uma casa daquelas. 4 quartos grandes sendo que uma suíte (com hidromassagem e tudo) e 2 banheiros. A sala enorme, cozinha americana (off course), piscina, todos os utensílios e eletrodomésticos (cooktop, forno, microondas, geladeira, máq. de lavar louça, roupa, de secar, ferro e tábua de passar, até enseradeira tinha) e o salvador ar condicionado (que eu detesto mas lá não tinha como ficar sem).
Crianças na piscina, adolescentes em reconhecimento de área externa e os "véios" arrumando bagagem e compras. Depois fomos bisoiar o condomínio. Sério, nos surpreendemos com tudo. O mesmo tinha piscina enorme, hidromassagem, até cinema (um dia fui ver um filme, mas os teenagers jogadores de basquete não deixaram porque só coxixavam.). Minha cunhada que estava acostumada a ficar em Hotel - que lá é assim, ou você gasta muito, ou fica em um 3, 4 estrelas que, se não for indicado, corre o risco de cheirar mofo todas as noites - amou nossa "morada".
O pessoal ainda teve pique pra ir no Red Lobster, um restaurante de frutos do mar (claro que com muitas frituras - porque lá tudo se resume a gordura) recomendadíssimo e voltaram lambendo os beiços. Dormir cedo sim, pois o dia seguinte começaríamos com a, à Lá Silvio Santos: "A Caravana da Vila Riete" (como nos apelidamos tamanha a gradeosidade do grupo e animação).

UNIVERSAL ISLAND
Compramos (e pagamos) todos os tickets no Brasil, friozinho na barriga até tudo dar certo.
Este foi o único parque que pegamos fila na entrada. Talvez porque precisamos trocar os vouchers.
Nos dividimos pois, além de sermos muitos, os que tinham crianças menores e a turma da melhor idade não tinham os mesmos desejos que nós, então combinamos um horário e local para o reencontro e partimos rumo à felicidade adrenalínica!


Lado esquerdo escolhido e lá estava ela...A Montanha Russa do Hulk. Pensa numa bicha grande (ok, depois conheci maiores) e com um looping maluco. Ela vai subindo lentamente e eis que, no meio da subida...vrruuummm. Velocidade total, ponta cabeça...show! Dá frio gostoso só de lembrar.
ps: eu simplesmente não sei de onde vem esse amor todo pela adrenalina, virar de ponta cabeça e afins. Aquele frio na espinha de quando a trava do carrinho faz cleck e você tem a certeza de que só sairá dele muitos loopins e gritos depois. E não esquecendo dos 2 braços em riste que é o mais gostoso da brincadeira...ai ai (suspiros de saudades).

Fomos no Elevador...

No do Homem Aranha... Que brinquedo fantástico! Tive que sair dele e carregar o marido pra ir, sim, pois ele não gosta de nadica de nada de radicalismos (graças a Deus que tinha os 2 Gabriéis adolescentes, filho e cunhado). Mas este, além de ser em 3D e muito bem bolado, se passa em NY e eu tinha certeza que ele iria curtir. Lá fomos nós pela 2ª vez.


E assim fomos dando a volta no parque, tirando muitas e muitas fotos, tentando nos refrescar como podíamos. Principalmente quando fomos no Brinquedo do Popeye em que saímos encharcados. Um bote enorme com um percurso emocionante e, do nada, jatos de água são direcionados à você ou seus colegas. Rachamos de tanto rir principalmente com o banho dos outros. *Não esqueça de colocar seus tênis e mochilas no compartimento que fica no meio do bote. Pode ser que os instrutores digam para não tirar o calçado mas, se não o fizerem, ele ficará encharcado assim como você. **Se não quiserem ficar semi nús esqueçam as roupas brancas!! Experiência própria. hehehe  ***E, especialmente para as mulheres, levem uma muda de roupa de baixo pois, ficar com a calcinha molhada (com água não potável e de procedência duvidosa) pode te render surpresas desagradáveis como fungos e bactérias.

Como pintinhos molhados resolvemos parar para o lanche. Levamos sanduíches de pão de forma, queijo e presunto agridoce (Honey Ham - hummm...faz a boca salivar...). Questão de economia além do que, hambúrguer e batata frita todo santo dia não dá. Levamos também Pringles ($1,99 no Wall Mart) e biscoitos doces...
Compramos a caneca de refri no parque. Você paga um valor X (acho que $6, se não me engano) e depois, a cada refil, pagava só $0,99 (cultura do refrigerante e obesidade yeah ) e essa mesma caneca poderia ser levada no outro parque da Universal, o Studios. Como estávamos em 4, valia muito a pena, apesar de eu não ser chegada em refri, me afogava em água. Guarde a sua primeira garrafinha pois tem bebedor (para encher a mesma) por todo o parque!!


Chegamos ao tão falado Mundo do Harry Potter e naquele brinquedo em 3 ou 4D, não me lembro. Fila grande e lá fomos nós. Depois de um tempão na fila nos informaram que deveríamos guardar a mochila no guarda-volumes (verifique as informações antes de entrar em cada brinquedo, geralmente há especificações na entrada do mesmo - embora a atendente pudesse ter nos avisado) mas foi a deixa que o marido encontrou pra sair fora pois a paciência dele tinha se esgotado. O visual é bacana e tal, remete bem ao filme mas, talvez por eu não ser fã da série ou por ter criado grandes expectativas, não achei tudo isso.

Outro que demandou muito tempo e não gostamos (consenso) muito foi o do Posseidon. Interessante pelos tantos efeitos. Se a fila fosse menor, quem sabe...

Não deixei de ir em nenhum brinquedo pois acho que, até pra formar uma opinião você deve experimentar. Fazia questão de curtir cada momento afinal, tudo era novidade. Mas, se o tempo fosse escaço (que não era o caso) em alguns eu não voltaria.

Demos a volta inteira no parque e encontramos o restante do grupo. Bem na frente da querida montanha russa do Hulk...e, como não havia fila nenhuma, lá fomos nós de novo.
Desta vez duas moças do nosso grupo que, por estarem com filhos pequenos não tinham ido antes, foram. Quase fiz xixi nas calças porque uma delas parecia que ia colocar o exôfago pra fora de tanto berrar. Saí do brinquedo com a boca seca porque não parava de gargalhar onvindo os gritos histéricos dela, cômico. Foi tão rápido que os meninos foram ainda mais uma vez, eu fiquei com vergonha por ser a única adulta radical da tchurma.rsrs
Mas tive que voltar no elevador...delícia! Um menininho que estava na minha frente na fila, todo bonitinho, me pediu pra sentar do lado dele. Ao mesmo tempo que ele estava nervoso, ria da irmã, que tremia de medo. Ainda na fila uma senhora desistiu e ouviu a família inteira zombando dela...emoções e caganeira a flor da pele...fazer o que?!


Nos despedimos desse primeiro dia de sonho com um maravilhoso pôr do sol.



quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Entre Lençóis e Super Heróis...

Ahhhh que coisa mais linda, que coisa mais fofaaaaaaaa

É da parceria da Thaís Gusmão e DC Comics....


 
Mulher gato...Minn hAuuu

 
E essa sapatilha mega master blaster power plus suuuuper linda?? Eu quero!!!

 
Post copiado daqui, ó: Just Lia

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

"Cadinhos da Semana #5


Festa de Aniversário do Corinthians com direito ao show do Zeca Pagodinho (ir no show dele era um sonho antigo...);
Lindos finais de tarde;
Deliciosas Sobremesas;
Frio, muuuito frio;
Amor de filho;
Desperates Septemberfest;
Jade Dog toda estilosa e...
Bolo da Vovó!! hummmm